Facebook tem eliminado 30.000 contas.

Facebook removeu cerca de 30.000 contas de uma vez. Sim, leu bem. São contas fraudulentas e foi só em França. A rede social Facebook anunciou que eliminou esses milhares de contas da sua plataforma. Que depois de as ter estudado verificou que eram falsas.

O seu objetivo era, eventualmente travar a propagação de notícias falsas. Mas também informações intencionalmente erradas e de spam em geral. Algo que é muito comum nas redes sociais como o Facebook. Mas também noutras redes sociais como o Twitter, Instagram, Google Plus, etc.

Facebook responde a pressão europeia

A decisão que foi tomada na França não foi acidental. Assim como se disputa a primeira ronda das eleições presidenciais na França. Tornando-se um momento chave.

Há uns dias atrás, o governo alemão e os franceses transmitiram ao Facebook o seu desconforto por partilhar muitas notícias falsas.

Foi um movimento agressivo, sem dúvida. Não é em vão, a pressão feita ao Facebook pelos líderes europeus é também intensa. Se o Facebook não está em conformidade com o contrato e com a obrigação do seu trabalho nesta situação, iria enfrentar multas enormes.

Dito isto, o Facebook decidiu remover as contas diretamente em vez de responder a estas queixas.

Segundo o relato da Reuters, a informação fraudulenta é baseada, no conteúdo e qualquer publicação que não esteja em conformidade com as leis de cada país, não existe na plataforma.

A pressão política em redes sociais

Facebook não é a única rede social que experimentou a pressão política. Tudo começou após as eleições realizadas na França e Alemanha. Também o Twitter e o YouTube  estão em jogo com estas situações. Mas o Facebook mostra-nos algo. Que é dos que mais ações está a realizadar para resolver estes problemas.

Facebook testou o filtro de notícias falsas primeiro na Alemanha. Uma ferramenta que é adicionada para fazer a limpeza. A ferramenta do Facebook, que já opera na França, permite que os utilizadores marquem aquelas notícias que consideram falsas.

Desde a ação dos utilizadores, o Facebook lançou um mecanismo que verifica e monitoriza a notícia detectada por utilizadores como fraudulenta. No caso da Alemanha, por exemplo, o link é enviado para a Correctiv, uma organização sem fins lucrativos que atua em Berlim. O que esta empresa está encarregada de fazer é verificar a tal noticia e, se é realmente falsa, trata de a remover.

Sempre que alguém tenta partilhar a notícia no Facebook será advertido que é uma publicação fraudulenta. Mesmo que partilhe essa publicação ela será sempre marcada como falsa.

Automação de processos

Embora pareça uma tarefa fácil, realmente não é. Detectar e eliminar contas fraudulentas não é uma tarefa simples. Lutar contra a propagação de notícias e virilização falsa depois da situação controversa com os EUA nas eleições presidenciais.

Na verdade, até à data ainda à dúvidas. É claro que a disseminação de tantas notícias e boatos, falsos rumores através das redes não ajudou. Daí a preocupação dos governos francês e alemão é maximizada.

Além disso, tem como alvo perfis fraudulentos que compartilham para garantir a credibilidade máxima na tomada de decisões com a informação do conteúdo. Mas também aqueles que só espalham campanhas de spam. Da mesma forma, também se revê publicações repetidas com o mesmo conteúdo e contas que tenham um volume excessivo de mensagens também são revistas.